Fernando Alonso alcança pole-position em qualificação caótica

Fernando Alonso

Será uma lotaria nestas condições”, escreveu a Ferrari no seu Twitter minutos antes do início da classificação. E foi mesmo. No chove não molha que virou Silverstone na tarde deste sábado, foi o temporal que determinou a sorte e o azar dos 24 pilotos que definiram a grelha de partida do GP da Inglaterra, nona etapa do Mundial de F1. A tempestade mudou os rumos da qualificação, e talvez da corrida, já que a direção de prova optou por interromper o Q2 quando faltavam 6min19s para o fim. O treino ficou 92 minutos sob a intervenção da bandeira vermelha. E depois que a bandeira verde foi acenada, brilhou, mais uma vez, a estrela de Fernando Alonso, que conquistou a pole-position em Silverstone, levando a Ferrari ao topo da grelha depois de quase dois anos, desde o GP de Singapura de 2010.

Tão logo a luz verde foi acionada para autorizar o início do treino, todos os pilotos foram à pista usando pneus intermédios. A chuva era insistente, mas não chegava a ser propriamente um temporal, por isso a escolha acertada pelos compostos identificados em verde. Toda a gente deixou logo as boxes por conta do temor de a chuva se intensificar nos minutos seguintes do Q1 em Silverstone.

Kobayashi, que foi o primeiro a sair dos boxes, teve a vantagem de se livrar do tráfego e marcou um bom tempo: 1:50:411. O piloto da Sauber só foi superado pela dupla da Mercedes, com Schumacher à frente de Rosberg, e o duo prateado foi batido por Massa, que registou 1:49:568 e momentaneamente assumiu a ponta.

E a qualificação estava absolutamente lotérica, nem sequer era possível arriscar quem ficaria de fora do Q2. Hamilton assumiu a ponta, com Ricciardo e Maldonado a formar os três primeiros, mas Massa deu o troco e voltou à liderança. No entanto, o brasileiro ficou apenas alguns segundos no topo, já que foi batido por Kobayashi, o primeiro a andar abaixo de 1min48s em condições húmidas, Hamilton, Schumacher, Vergne e Alonso, todos os pilotos que guiam bem no molhado.

Pouco antes da primeira metade do Q1, nova reviravolta na ponta e na rabeira do treino. Maldonado subiu para a liderança graças ao tempo de 1min47s123, seguido por Ricciardo e Pérez, com Vergne e Massa fechando o rol dos cinco primeiros. Entre os eliminados, Rosberg fazia companhia aos pilotos das equipes novatas Caterham, Marussia e HRT.

Vettel tratou de tentar impor a força da Red Bull e assinalou 1min46s279, subindo para a ponta do Q1. O alemão cravou 1min46s276 e completou uma dobradinha germânica com Nico Hülkenberg, da Force India. Na sequência terminaram três latinos, com Maldonado, Pérez e Alonso completando o top-5. Bruno Senna foi o nono, enquanto Felipe Massa foi o 13º.

A chuva trouxe azar dos grandes para o piloto que menos tem sorte em Silverstone: Button. O campeão do mundo em 2009, que jamais foi ao pódio correndo em casa, não conseguiu registar um bom tempo, fechou o Q1 em 18º e foi eliminado precocemente da sessão de qualificação do GP da Inglaterra.

A chuva leve que determinou os rumos do Q1 deu lugar a um verdadeiro temporal em Silverstone para a segunda parte da sessão de qualificação. Alguns pilotos, como Massa e Alonso, ainda arriscaram usar os pneus intermédios, mas ficou claro, logo no começo da sessão, que a aposta certa era mesmo os compostos de chuva extrema. A Ferrari reconheceu o erro e logo chamou os seus pilotos para colocar os pneus ‘azuis’. Logo, Alonso e Massa estavam de volta ao jogo, mas o estrago já estava feito.

A pista piorou muito e ficou cerca de 13s mais lenta em relação ao Q1. Enquanto Vettel virou 1:46:279 no primeiro segmento do treino, a melhor volta do início do Q2 foi de Pérez com 1:59:092 num momento que a chuva não estava tão forte quanto seria a seguir. E Schumacher, outrora conhecido como ‘rei da chuva’, rodou algumas vezes em Silverstone, que tinha o asfalto em condições críticas. Alonso também quase bateu, mas controlou o seu carro numa belíssima manobra e seguiu em frente

Até que, faltando 6min19s para o fim do Q2, a direção de prova optou por interromper o treino com bandeira vermelha, justamente quando Alonso e Massa estavam perto da eliminação. Os comissários entenderam que a pista estava impraticável para o automobilismo e decidiram paralisar a qualificação quando Pérez, Hamilton, Rosberg, Vergne, Hülkenberg, Kobayashi, Räikkönen, Webber, Ricciardo e Vettel completavam o top-10.

Foram intermináveis 92 minutos de especulação, indefinição e trabalhos de secagem na pista. Finalmente, às 15h07 locais, a direção de prova, através de Charlie Whiting, o Q2 foi retomado em Silverstone, para a alegria dos adeptos posicionados nas arquibancadas do lendário autódromo britânico.

Ninguém tinha noção das condições reais da pista naquele momento, mas Pérez, então líder, Kobayashi e Räikkönen arriscaram na lotérica qualificação e saíram do pit-lane com pneus intermédios, enquanto a maioria optou pelo conservadorismo e deixou as boxes com compostos para chuva intensa. O duo da Sauber logo voltou às boxes para colocar pneus de chuva extrema, já que a pista estava bastante encharcada, mas muito melhor em relação ao horário em que o treino foi interrompido.

E Grosjean comprovou isso quando faltavam dois minutos para o fim do Q2 ao marcar 1:57:634 e tomar a liderança de Pérez. Vettel também melhorou o seu tempo e Alonso saiu da zona do não apuramento, ao assumir momentaneamente o segundo lugar. Mas o facto é que as posições mudavam a cada segundo e era impossível saber quem iria ao Q3 e, consequentemente, quem seria eliminado da classificação. Fim de Q2 eletrizante em Silverstone.

Hamilton fez uma volta voadora e marcou 1:54:897, tempo suficiente para garantir a sua ida ao Q3 como o mais rápido. Depois de muitas mudanças de posição, Hülkenberg conseguiu fechar em segundo, tendo Schumacher logo atrás. Webber, Grosjean, que fezum um pião no fim do Q2, Massa, que volta ao Q3, Räikkönen, Maldonado, Alonso e Vettel avançaram ao Q3.

Apenas Räikkönen arriscou em ir para a pista com pneus de chuva extrema, enquanto os outros oitos pilotos optaram pelos intermédios. Maldonado mostrou que a escolha pelos intermédios foi a mais correta ao ter marcado 1:58:016 contra 2:03:978 de Kimi. De seguida, foi Massa quem marcou o melhor tempo com facilidade, mas o brasileiro foi batido por Schumacher e pelo sortudo Alonso, que subiu para primeiro ao registar 1:53:699.

Na sua melhor qualificação no ano, Massa fez uma grande volta e, na segunda tentativa, superou Alonso ao andar abaixo de 1min54s. No entanto, uma volta depois, foi a vez de o espanhol dar o troco e retomar a ponta na empolgante qualificação em Silverstone ao cravar 1:52:544. Mas Felipe não estava contente apenas com a segunda posição, que virou terceira ao ter sido batido por Webber, e foi para mais uma tentativa.

Na sua penúltima volta na qualificação, Massa fez outra boa volta, regressou ao segundo lugar, mas ficou a 0,521s do tempo de Alonso. Só que a dupla da Ferrari não contava com a ameaça de Webber. O australiano fez uma volta quase perfeita e conquistou a pole provisória após marcar 1:51:793. Faltava Alonso, Schumacher e Massa completarem as suas respectivas voltas para definir o pole do GP da Inglaterra.

Schumacher ficou perto da frente, mas não conseguiu superar Webber. Nem mesmo Massa ficou perto da pole. Ainda assim, o brasileiro conquistou o seu melhor lugar na temporada numa qualificação épica. Mas brilhou mais forte a estrela do competente Alonso, que mais uma vez mostrou ter sorte de campeão, saiu de uma provável eliminação no Q2 e, com o tempo de 1:51:746, conquistou a primeira pole para a Ferrari desde o GP de Singapura de 2010.

Confira a grelha de partida:

Pos Driver Team Time Gap 
 1.  Fernando Alonso       Ferrari              1m51.746s   
 2.  Mark Webber           Red Bull-Renault     1m51.793s  + 0.047 
 3.  Michael Schumacher    Mercedes             1m52.020s  + 0.274 
 4.  Sebastian Vettel      Red Bull-Renault     1m52.199s  + 0.453 
 5.  Felipe Massa          Ferrari              1m53.065s  + 1.319 
 6.  Kimi Raikkonen        Lotus-Renault        1m53.290s  + 1.544 
 7.  Pastor Maldonado      Williams-Renault     1m53.539s  + 1.793 
 8.  Lewis Hamilton        McLaren-Mercedes     1m53.543s  + 1.797 
 9.  Nico Hulkenberg       Force India-Mercedes 1m54.382s  + 2.636 
10.  Romain Grosjean       Lotus-Renault        no time
Q2 cut-off time: 1m56.931s Gap **
11.  Paul di Resta         Force India-Mercedes 1m57.009s  + 2.112
12.  Kamui Kobayashi       Sauber-Ferrari       1m57.071s  + 2.174
13.  Nico Rosberg          Mercedes             1m57.108s  + 2.211
14.  Daniel Ricciardo      Toro Rosso-Ferrari   1m57.132s  + 2.235
15.  Bruno Senna           Williams-Renault     1m57.426s  + 2.529
16.  Jean-Eric Vergne      Toro Rosso-Ferrari   1m57.719s  + 2.822
17.  Sergio Perez          Sauber-Ferrari       1m57.895s  + 2.998
Q1 cut-off time: 1m47.105s Gap *
18.  Jenson Button         McLaren-Mercedes     1m48.044s  + 1.765
19.  Vitaly Petrov         Caterham-Renault     1m49.027s  + 2.748
20.  Heikki Kovalainen     Caterham-Renault     1m49.477s  + 3.198
21.  Timo Glock            Marussia-Cosworth    1m51.618s  + 5.339
22.  Pedro de la Rosa      HRT-Cosworth         1m52.742s  + 6.463
23.  Narain Karthikeyan    HRT-Cosworth         1m53.040s  + 6.761
24.  Charles Pic           Marussia-Cosworth    1m54.143s  + 7.864

Posted on 7 de Julho de 2012, in Fórmula 1 and tagged . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: