Fernando Alonso aguenta Sérgio Pérez e vence o GP da Malásia

Fernando Alonso

Fernando Alonso tem de dar muitas graças por ter conseguido neste domingo na Malásia o que deve ser, provavelmente, a única vitória da Ferrari na temporada 2012. Só pela reação da equipe dá para entender: “Estamos muito orgulhosos de ti”, disseram via rádio após a bandeirada de xadrez. A conquista, com o mal nascido F2012, deve-se apenas a dois fatores: a chuva e a inexperiência de Sergio Pérez, que esteve perto de se consagrar, mas rateou quando estava perto do espanhol para efetuar a mundialmente tão esperada ultrapassagem.

Pérez, Pérez… tão perto da glória, tão mais rápido que Alonso, 0,3s atrás do espanhol a seis voltas para o fim, e uma escapadela afastou-o da luta. Mas de longe, assim, nos últimos tempos, o melhor desempenho de um piloto de equipa média. Era para ganhar. O segundo lugar fica com um gosto amargo, ainda que para a Sauber entre para a história como seu melhor resultado, sem contar os tempos de parceria com a BMW.

Sinceramente, o resto virou resto em Sepang, e o terceiro lugar coube a Lewis Hamilton, que chegou bem atrás da dupla latina. E o circuito malaio também viu a melhor performance de Bruno Senna na F1. Andando no ritmo dos líderes depois da corrida foi paralisada por uma tempestade tropical típica, o brasileiro foi passando um a um até chegar em sexto.

Com a pista levemente molhada, as equipas optaram por pneus intermédios para iniciar a corrida em Sepang. Alguns trechos estavam mais molhados que outros, facto que justificou a escolha por parte das equipas.

A largada foi relativamente tranquila, levando em conta as condições críticas do asfalto malaio. Hamilton manteve a ponta, seguido por Button. Quem largou muito bem foi Grosjean, que pulou para terceiro, ganhando um duelo com Schumacher. Mas tanto o franco-suíço da Lotus tocou no carro o heptacampeão do mundo e ambos rodaram, perderam muitas posições, e caíram para o fim do pelotão, permitindo que Webber e Vettel subissem para terceiro e quarto, respectivamente.

O volume de água seguiu aumentando gradualmente, o que obrigou os pilotos a mudarem os pneus intermédios para compostos para chuva forte, identificados pela cor azul. O primeiro a fazer o pit-stop foi Pérez, ainda na segunda volta, e logo o mexicano foi seguido por Senna, Pic, Glock e Massa, já na terceira volta.

Na abertura da quarta volta, um verdadeiro congestionamento foi visto no pit-lane. Button, Alonso, Hülkenberg, Ricciardo, Petrov e Kovalainen fizeram as suas paragens. Alguns resistiam com os intermediários, como Schumacher, Vettel, Webber e Hamilton.

Após ter reclamado de aquaplanagem, o então líder da prova finalmente fez a sua troca de pneus, assim como Webber, Vettel, Rosberg, Maldonado, Räikkönen, Kobayashi e Schumacher. Hamilton conseguiu voltar à frente de Button e manteve a liderança em Sepang. Quem se deu muito bem foi Pérez, o primeiro a arriscar com os pneus para chuva forte, que assumiu a terceira posição, seguido por Webber e Alonso.

Até que, no fim da quinta volta, a direção de prova acionou o safety-car, já que a pista não apresentava condições de segurança suficientes. A bandeira amarela ocasionou uma das situações mais inusitadas dos últimos anos: Narain Karthikeyan, da rookie HRT, figurava na décima posição, à frente dos campeões mundiais Schumacher e Räikkönen. Depois de três voltas, Charlie Whiting, delegado da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), decidiu suspender a corrida com bandeira vermelha. Depois de 55 minutos, a corrida foi retomada, ainda sob a intervenção do safety-car e em bandeira amarela.

Pouco depois que o safety-car recolheu rumo ao pit-lane na 13ª volta, Button, Rosberg, Räikkönen e Kobayashi recolheram de imediato para as boxes, todos para trocar pneus, compostos de chuva forte para os intermédios. Na mesma volta, Alonso conseguiu passar Webber e assumiu a terceira posição. O australiano também perdeu uma posição para Vettel, mas travou bom duelo com o colega de Red Bull e conseguiu retomar a quarta posição.

Uma volta depois, Alonso, Massa, Hamilton e Webber foram para as boxes, situação que permitiu a Pérez subir à primeira posição. O mexicano fez a sua paragem na 15ª volta, assim como Vettel, Vergne e Hülkenberg. Após a sua paragem, ‘Checo’ voltou imediatamente atrás de Alonso, que assumiu a liderança. Quem teve a corrida comprometida foi Button. O britânico envolveu-se num incidente com Karthikeyan e danificou a asa dianteira do seu MP4-27. Após efetuar a troca do aerofólio, o vencedor do GP da Malásia voltou na 20ª posição.

Passada a movimentação das boxes com as trocas de pneus, Alonso figurava na ponta, com o surpreendente Pérez em segundo, e Hamilton a fechar o top-3. Massa era o oitavo, enquanto Senna aparecia em 15º após 20 voltas completadas num total previsto de 56. Ambos figuravam como os grandes destaques da corrida naquele momento, Fernando, por tirar ‘no braço’ o melhor de um Ferrari claramente inferior em comparação com as outras grandes equipas da grelha, e Pérez, por conseguir andar bem mais rápido que Hamilton e Vettel.

Enquanto Alonso e Pérez destoavam dos adversários na corrida, a Mercedes arrastava-se em Sepang. Rosberg e Schumacher tinham ritmo de corrida bastante fraco, graças à perda repentina de rendimento dos pneus intermédios, e ambos eram seguidamente ultrapassados pelos seus adversários e sem qualquer resistência. Outro piloto que fazia boa corrida era Bruno Senna, que conseguiu recuperar depois de um começo de prova bastante complicado, e após 28 voltas, conseguiu entrar na zona de pontos.

Stefano Domenicalli, Sérgio Pérez, Fernando Alonso e Lewis Hamilton

Sobre Massa, em momento algum o brasileiro esteve perto do ritmo de Alonso, então líder da corrida. A princípio, tudo indicava que o problema do piloto da Ferrari estava no rendimento dos pneus, tanto que Felipe foi alvo fácil para os ataques de Vergne e Senna. Mas mesmo depois de ter efetuado a sua troca de pneus, colocando um novo jogo de intermédios, Massa apresentou um rendimento muito fraco, a ponto de nem sequer conseguir passar o Caterham de Petrov. Resultado: o brasileiro foi superado por Button e até mesmo por Ricciardo, caindo para 18º na 35ª volta.

Voltando ao grande duelo da prova, entre Alonso e Pérez, o mexicano diminuía volta após volta a diferença em relação ao bicampeão do mundo ao registar voltas mais rápidas de seguida.

Enquanto a dupla protagonista da corrida permanecia em evidência, muitos pilotos, começando por Ricciardo, optaram por mudar de pneus intermédios para os médios. O bom ritmo do jovem da Toro Rosso encorajou a todos, que optaram pela troca. Alonso fez o pit-stop antes de Pérez, e o piloto da Sauber voltou à liderança na 40ª volta. Detalhe é que ‘Checo’ optou por pneus duros, uma vez que o C31 enfrentou muitos problemas com os médios ao longo de todo o fim de semana.

Mas mesmo com pneus para pista seca, era claro que o desempenho de Pérez era muito melhor que o de Alonso. A ultrapassagem era simplesmente questão de tempo, ainda mais com o recurso da asa móvel traseira. Era inevitável, era… mas um alerta da Sauber, por meio do rádio, parecia pressentir o pior. Quando a diferença em relação a Fernando era de apenas 0,5s, Sergio cometeu um erro quando faltavam seis voltas. Foi o que faltava para que Pérez segurasse o ritmo para garantir o melhor resultado na sua curta carreira na F1. “‘Checo’, toma cautela. O segundo lugar é bom, o segundo lugar é bom

O feito de Pérez foi tão grande quanto a vitória épica de Alonso. Fernando alcançou um resultado improvável, e se não fosse pela chuva e pelas várias variáveis ocorridas em Sepang, jamais viriam, levando em conta o seu carro mal-nascido. Mas o asturiano apenas provou que talvez seja atualmente o melhor piloto em atividade na F1, fez história e após quase uma volta de vantagem sobre Massa, cruzou a linha de chegada na frente na Malásia.

Conquista mágica, como bem disse a Ferrari, levando o corpo técnico da equipa de Maranello às lágrimas no pit-wall do circuito malaio. Alonso deixa Sepang simplesmente como líder do Mundial, com 35 pontos, dez a mais em relação a Hamilton, enquanto Button ocupa a terceira posição, com 25. Menção também à corrida de Senna. Sexto lugar, o brasileiro conquistou numa só corrida mais que os cinco pontos que a Williams marcou em toda a temporada passada.

Confira os resultados:

Pos Driver Team Time
 1.  Alonso        Ferrari                    2h44:51.812
 2.  Perez         Sauber-Ferrari             +     2.263
 3.  Hamilton      McLaren-Mercedes           +    14.591
 4.  Webber        Red Bull-Renault           +    17.688
 5.  Raikkonen     Lotus-Renault              +    29.456
 6.  Senna         Williams-Renault           +    37.667
 7.  Di Resta      Force India-Mercedes       +    44.412
 8.  Vergne        Toro Rosso-Ferrari         +    46.985
 9.  Hulkenberg    Force India-Mercedes       +    47.892
10.  Schumacher    Mercedes                   +    49.996
11.  Vettel        Red Bull-Renault           +  1:15.527
12.  Ricciardo     Toro Rosso-Ferrari         +  1:16.800
13.  Rosberg       Mercedes                   +  1:18.500
14.  Button        McLaren-Mercedes           +  1:19.700
15.  Massa         Ferrari                    +  1:39.300
16.  Petrov        Caterham-Renault           +     1 lap
17.  Glock         Marussia-Cosworth          +     1 lap
18.  Kovalainen    Caterham-Renault           +     1 lap
19.  Maldonado     Williams-Renault           +    2 laps
20.  Pic           Marussia-Cosworth          +    2 laps
21.  Karthikeyan   HRT-Cosworth               +    2 laps
22.  De la Rosa    HRT-Cosworth               +    2 laps

Fastest lap: Raikkonen, 1:40.722

Not classified/retirements: Driver Team On lap
Kobayashi     Sauber-Ferrari               47
Grosjean      Lotus-Renault                4

World Championship standings, round 2: Drivers: Constructors: 
 1.  Alonso        35        1.  McLaren-Mercedes           55
 2.  Hamilton      30        2.  Red Bull-Renault           42
 3.  Button        25        3.  Ferrari                    35
 4.  Webber        24        4.  Sauber-Ferrari             30
 5.  Perez         22        5.  Lotus-Renault              16
 6.  Vettel        18        6.  Force India-Mercedes        9
 7.  Raikkonen     16        7.  Williams-Renault            8
 8.  Senna          8        8.  Toro Rosso-Ferrari          6
 9.  Kobayashi      8        9.  Mercedes                    1
10.  Di Resta       7
11.  Vergne         4
12.  Hulkenberg     2
13.  Ricciardo      2
14.  Schumacher     1

Posted on 25 de Março de 2012, in Fórmula 1 and tagged . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: