Andreas Mikkelsen mantém-se na frente do rali dos Açores

Andreas Mikkelsen

O segundo dia do Sata Rali dos Açores resumiu-se, desportivamente em termos de luta pela vitória, ao despique entre Mikkelsen e Hanninen.

Aquele que poderia ter sido o momento de viragem do rali, com Hanninen a atacar muito forte na primeira passagem pelas Sete Cidades, veio a tornar-se, provavelmente, no momento do rali. De facto, Haninen teve uma saída de estrada (a um quilómetro do fim), que teve poucas consequências para o Skoda (apenas afectado na secção traseira), mas muitas no cronómetro, com o finlandês a perder 10 segundos para Mikkelsen só nesse troço, quando eventualmente lhe iria ganhar tempo.

A partir daí, já deu a entender que Mikkelsen e Hanninen fizeram um pacto de não “agressão” – até pelo agravamento do estado dos troços com muita lama e água – tanto mais que o ritmo competitivo se manteve, mas sempre com vantagem para o Norueguês, que já leva seis vitórias em troços contra apenas duas do seu adversário.

Outro grande facto do dia, foi o aparatoso despiste de Bruno Magalhães, que deixou o português fora de prova, depois de não conseguir chegar-se a Bouffier na luta pelo 3º lugar.

O francês em um ano evoluiu muito a sua condução na terra, e foi sempre forçando o andamento, mesmo quando se viu isolado no 3º lugar, até porque Bouffier pretendeu sempre comparar os seus tempos face aos pilotos da Skoda.

Numa luta germânica, Wiegand e Gassner estiveram empenhadíssimos na discussão do 4º lugar, com ambos a não baixarem os braços, embora Gassner tenha levado a melhor devido à sua maior experiência na condução sob condições de terreno tão adversas, subindo de 7º para 4º da geral.

Ricardo Moura lutou durante o dia apenas contra si próprio. Não cometer erros passou a ser a aposta, tanto mais que passou a liderar entre os pilotos do CPR assim que Bruno Magalhães abandonou.

NO CPR destaque para o segundo lugar de Miguel Barbosa, a cumprir perfeitamente os seus objectivos na estreia no Sata Açores, assim como Ivo Nogueira, terceiro do CPR que está até a ser demasiado cauteloso para lograr obter o pódio neste prova.

Nas duas rodas motrizes, Paulo Maciel continua a voar no Citroen Saxo. O piloto mostra que não é só o conhecimento do terreno a fazer a diferença, mas também o seu virtuosismo ao volante de um carro francamente desatualizado.

Confira os resultados:

1º Andreas Mikkelsen – Skoda Fabia S2000 1h05m34,0s
2º Juho Hanninen – Skoda Fabia S2000 a 16,2s
3º Bryan Bouffier – Peugeot 207 S2000 a 1m17,8s
4º Hermann Gassner Jr – Skoda Fabia S2000 a 3m26,3s
5º Sepp Wiegand – Skoda Fabia S2000 a 3m36,2s
6º Ricardo Moura – Mitsubishi Lancer Evo IX a 4m55,8s
7º Oleksander Salyuk – Ford Fiesta S2000 a 6m43,9s
8º Sérgio Silva – Subaru Impreza WRX a 8m33,2s

Posted on 24 de Fevereiro de 2012, in IRC and tagged . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: